Notícia

15 de Janeiro, 2014

Caminhada vai anteceder cortejo das baianas na Lavagem do Bonfim

Festa, no dia 16 de janeiro, reúne milhares de devotos em Salvador. Fiéis podem adquirir kit com camisa, boné e água benta para participar.

No dia 16 de janeiro de 2014, a Lavagem do Bonfim terá uma caminhada católica que vai anteceder o cortejo das baianas. Saindo da Conceição da Praia, os devotos vão andar cerca de 8km até a chegada na Colina Sagrada do Senhor do Bonfim, em Salvador.

O ritual batizado de "Caminhada Lavagem de Corpo e Alma" será realizado a partir das 8h do dia 16, segundo explica o padre Edson Menezes, da Basílica de Nosso Senhor do Bonfim. "Nossa presença é para valorizar a Lavagem", afirma o religioso. "A Igreja do Bonfim é um espaço democrático que tem espaço para todo mundo. Lá todos se sentem irmãos", completa.

Para quem quiser participar da caminhada, um kit com camisa, boné e água benta é vendido na Igreja do Bonfim e custa R$ 30. O dinheiro arrecadado será destinado a alguns projetos sociais da paróquia.

Animados por uma bandinha, os fiéis carregarão, ao longo do percurso, faixas, cartazes e tabuletas com frases que expressam o desejo de paz, defesa da vida e da dignidade da pessoa humana, clamando por justiça contra a intolerância religiosa, bem como pedindo o combate à violência.Segundo informações da Arquidiocese de Salvador, a Lavagem de Corpo e Alma tem como objetivo resgatar a dimensão da piedade popular e penitencial da caminhada até a Igreja do Bonfim. 

A Lavagem do Bonfim é comemorada na segunda quinta-feira após o Dia de Reis, que é comemorado pelos católicos no dia 6 de janeiro.

História
Tradição mantida há mais de dois séculos, a Lavagem do Bonfim é marcada pela forte presença do sincretismo religioso entre o catolicismo e o candomblé. Devotos do Senhor Bom Jesus do Bonfim e Oxalá se reúnem para festejar, prestar homenagens e pagar promessas no cortejo em direção à Colina Sagrada. Além do contexto religioso, a Lavagem do Bonfim também é caracterizada pela grande festa que acompanha e circunda o trajeto de fé.

Segundo relatos históricos, a lavagem começou a partir dos moradores da região que tinham o objetivo de lavar a igreja para deixá-la pronta para a Festa do Bonfim, realizada pelo catolicismo no segundo domingo após o Dia de Reis.

A “faxina” do templo religioso acontecia três dias antes da festa, numa quinta-feira. A chegada até à colina sagrada era marcada por muita dança durante o cortejo, o que provocou a proibição da lavagem da igreja, em 1889, pelo arcebispo da Bahia Dom Luís Antônio dos Santos.

 

Fonte : G1