Artigo

13 de Outubro, 2014

Homilia – Festa de Nossa Senhora Aparecida – 12.10.14

Hoje, celebramos o dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil.

No Santuário Nacional, em Aparecida, em muitas Igrejas e capelas espalhadas por todo país, milhares de pessoas estão reverenciando a Mãe de Deus e nossa, pedindo a sua proteção, procurando aprender com ela a viver os ensinamentos do Evangelho e testemunhar o que seu filho Jesus Cristo  ensinou.

Neste dia, duas fontes servem de inspiração para nossa reflexão: Primeira, a história da aparição da imagem; segunda, a Palavra de Deus que escutamos.

Quanto à história da aparição da imagem, conta-se que os pescadores Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves, depois de uma longa jornada de trabalho, isto é, depois de ter lançado inúmeras vezes a rede ao Sul do rio Parnaíba, sem pegar nenhum peixe, ao chegar ao Porto Itaguaçu, no dia 12 de Outubro, já sem esperança, João Alves lançou a sua rede nas águas e o que veio em sua rede foi o corpo de uma imagem de Nossa Senhora da Conceição sem a cabeça. Numa segunda tentativa veio a cabeça da imagem. Envolveram o achado em um lenço e, animados, pelo acontecido, fizeram uma terceira tentativa  lançando as redes, apanhando muitos peixes. Foi uma verdadeira pesca milagrosa ( o milagre do achado da imagem e a abundância dos peixes ).

Sobre este acontecimento, são inumeras as interpretações e leituras espirituais ou teológicas feitas no decorrer da história, mas hoje quero fazer referência à interpretação mais recente que foi feita pelo Santo Padre, o Papa Francisco, quando, durante a Jornada Mundial da Juventude o ano passado, visitou a Santuário, na condição de peregrino.

Em sua visita, o Papa Francisco disse: “Quem poderia imaginar que o lugar de uma pesca infrutífera, tornar-se-ia o lugar onde todos os brasileiros podem se sentir filhos de uma mesma Mãe? Deus sempre surpreende, como o vinho novo, no Evangelho que ouvimos. Deus sempre nos reserva o melhor. Mas pede que nos deixemos surpreender pelo seu amor, que acolhamos as suas surpresas. Confiemos em Deus!”

O Papa destaca o despertar para valorizar a filiação divina, experimentar o amor e a misericórdia do Pai, a acolher as surpresas de  Deus, que sempre reserva o melhor para nós. O achado da imagem, depois de uma sensação de desilusão, revela que o cristão, nunca deve perder a esperança, assim, “O cristão não pode ser pessimista! Não pode ter uma cara de quem parece num constante estado de luto”, como afirma o Papa Francisco.

As leituras que ouvimos nos mostram que Maria foi a primeira que acreditou na mensagem salvadora do seu filho Jesus Cristo, que soube ouvir e viver a Palavra do Pai, que se constitui modelo essencial discípula e missionária.

Na primeira leitura a Rainha Ester usou de sua beleza e de muita sabedoria para pedir ao rei a preservação da sua vida e da vida de seu povo. Vemos nela uma prefiguração da vocação e missão de Maria, que toda santa, pura e bela, revelou-se uma mulher de fé inabalável que, por sua condição de especial santidade entre as demais criaturas, intercede sempre junto a seu filho Jesus Cristo, por cada um de nós.

O Apocalipse nos mostra que o dragão quer, na verdade, matar o filho da mulher que é perseguida e não foi vencida por ele. Esta mulher pode simbolizar Maria, enquanto exemplo de firmeza, fidelidade e perseverança.

No Evangelho, Ela nos orienta a fazer tudo o que Jesus nos ensina; convida-nos a escutar, a praticar e a testemunhar o sabor da vida nova simbolizada no vinho novo. Maria é modelo original dos que se abrem a graça de Deus e se deixam conduzir por Ele, o modelo original da comunidade que crê. Portanto, devemos ser eternos alunos matriculados na escola da Virgem Santíssima para sermos fiéis e perseverantes, seguidores do seu filho Jesus Cristo.

São muitos os títulos dados a esta senhora simples, humilde e fiel. Hoje nos dirigimos a ela, chamando-a de Aparecida. Aparecida para nos despertar, nos ajudar a enxergar e a encontrar em seu Filho, o nosso caminho, a nossa verdade e a vida em plenitude.

Todos os dias e, de modo especial, hoje, olhamos para Nossa Senhora pedindo que consigamos nos aproximar sempre, como ela, de Deus. Olhar para ela nos enche de alegria, de ânimo e de esperança.

Não nos cansamos de repetir: “Ave Maria, cheia de graças! O Senhor é contigo e bendita sois vós entre as mulheres”. Ó Mãe do belo amor: “Rogai por nós os pecadores, agora e na hora de nossa morte”. Amém! Assim seja!